A escola da vida

Edivan Costa nasceu em uma comunidade carente de Belo Horizonte. Filho de uma doméstica e um metalúrgico e o mais jovem de sete irmãos, desde cedo trabalhou para ajudar em casa. Apesar de conviver em um meio onde prevaleciam os mais notáveis problemas sociais, o garoto se apegou aos valores que aprendeu com os os pais e escolheu trabalhar e manter sua dignidade.

Em sua juventude passou a jogar futebol, carreira que desejava seguir. Quando estava no time do Palmeiras, em São Paulo, e foi passar as férias em casa, aconteceu algo que mudou seus planos de vida. Seu pai sofreu um derrame e Edivan decidiu que o mínimo que poderia fazer era ficar em casa e trabalhar para ajudar e dar apoio ao pai e à família.

Conseguiu o emprego de office boy em um escritório e se destacou pela dedicação e empenho. Com o passar do tempo, um dos funcionários do escritório o chamou para ser sócio de um despachante imobiliário. A falta de dinheiro, saber que não receberia um salário e a responsabilidade de sustentar a família quase o fizeram desistir da oferta. Mas o sonho de ter o próprio negócio e a esperança em dias melhores o fizeram agarrar a oportunidade. Um pouco diferente da maioria dos empreendedores, ao invés de começar do zero, começou do menos um, pois não possuía nenhum tipo de recurso.

“Eu sempre levantei cedo”, essa foi a frase dita muitas vezes pelo pai e que norteou sua decisão de empreender. Passando noites em claro devido aos estudos que fazia por conta própria, fazendo poucas refeições, indo a pé para o escritório e trabalhando intensamente, conseguiu seus primeiros clientes. Por indicação de um dos advogados do primeiro escritório onde trabalhou, atendeu um cliente muito rico. Quando revirava a papelada entregue a ele, encontrou três cheques em branco. Pensou: “Tenho nas mãos a possibilidade de arrumar minha vida e a da minha família, poderia usar os cheques e sumir no mundo.” No entanto, era uma pessoa íntegra e honesta e optou por fazer o certo: devolveu os cheques para o dono. O empresário, comovido com tamanha honestidade disse a um de seus assistentes: “Esse garoto não sai mais do meu lado.”

Por meio de sua sinceridade, conquistou a confiança desse cliente e, por indicação, vieram muitos outros. Ao atender o dono de uma grande rede de supermercados, foi informado de que este precisa de alvarás para que suas lojas funcionassem sem problemas. Edivan não sabia como funcionava o processo mas aceitou o desafio. Durante 30 dias, trabalhou arduamente e retornou ao estabelecimento com a missão cumprida. O empresário havia lhe oferecido uma recompensa, à sua escolha, caso conseguisse resolver seu problema. Quando foi interrogado a respeito de sua escolha, respondeu decidido: “Quero mais trabalho.”

Com esforço, trabalho e dedicação passou a enxergar a burocracia como uma geradora de oportunidades. Sua missão era resolver os problemas mais complicados para que as empresas funcionem sem impedimentos. Conquistou vários clientes, se empenhou nos estudos, empregou os irmãos e comprou uma casa para os pais.

Atualmente, é proprietário da SEDI, uma empresa notável que atende a outros grandes empreendimentos e possui filiais em diversas cidades do Brasil. Apesar do sucesso, Edivan Costa é uma pessoa humilde, simples, divertida e nada parece apagar seu sorriso. Hoje, possui mais um sonho: o de se tornar professor. Para isso, se prepara e busca mais conhecimentos, no entanto, se interrogado sobre sua maior fonte de aprendizado afirma com um largo sorriso: “ A vida foi uma ótima escola”.

 

Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=c9pFNforKS0

Lições que podemos aprender com a trajetória de Edivan Costa

1. Não abra mão de seus valores

Edivan foi guiado por toda a sua vida pelos valores que aprendeu em casa. Essa perseverança fez toda a diferença e lhe abriu muitas portas para a concretização de seus sonhos.

2. Encare desafios como oportunidades

O empreendedor não teve medo de encarar novos desafios. O que ele não sabia, procurava aprender e as coisas davam certo porque ele estava aberto para o aprendizado e não deixava passar boas oportunidades.

3. Comece com o que tem nas mãos

Comece do zero ou do menos um. O importante é começar, se não tem dinheiro, tem habilidades e isso é o principal.

4. Não tenha medo de mudar conceitos

Edivan nos ensina que a burocracia, quando bem compreendida, é uma geradora de oportunidades. Ao invés de nos prendermos a velhos conceitos, devemos ver o lado construtivo de cada processos e nos emprenharmos para fazer cada tarefa com dedicação e otimismo.

0 Comments

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

WordPress spam blocked by CleanTalk.