O poder das palavras

O poder das palavras

Em 1969, Antônio Luiz Seabra, abriu as portas de um laboratório e de uma pequena loja de cosméticos na rua Oscar Freire, em São Paulo. Com apenas sete funcionários, mas muitos sonhos e vontade de crescer, tiveram a ideia de oferecer um serviço inédito. Em uma plaquinha simples na porta, escreveram a seguinte mensagem: “Consultoria personalizada em tratamento de beleza”.

A palavra “consultoria” despertou a curiosidade das mulheres que passavam pelo local. Elas acabavam entrando na loja, onde eram apresentadas à linha de produtos, recebiam atendimento personalizado e faziam compras. Por meio de conversas com clientes, a empresa constatou o potencial transformador dos cosméticos, principalmente em relação à autoestima dos indivíduos.

Com base nessa observação e no sucesso das vendas, a empresa decidiu expandir o negócio oferecendo a consultoria e os produtos a domicílio. Desse modo, foi possível aumentar as vendas sem a necessidade de abrir novas lojas. As mulheres contratadas para realizar o serviço, eram denominadas consultoras, não vendedoras, detalhe que fez toda a diferença e que prevalece até os dias atuais.

A empresa cresceu, investiu ainda mais em qualidade e adotou o conceito de ajudar as pessoas a se sentirem bem consigo mesmas e a se conhecerem melhor e serem mais felizes. Na década de 80, havia cerca de duas mil consultoras da marca circulando pelas ruas do Brasil. Atualmente, são mais de 350 mil. Hoje, a Natura é a maior empresa de cosméticos da América Latina.

 

Fonte: Livro “Oportunidades disfarçadas”, de Carlos Domingos

http://mundodasmarcas.blogspot.com.br/2006/05/natura-natureza-viva.html – Acesso em 23/07/2015, às 10:00.

Foto: Antônio Luiz Seabra e suas primeiras consultoras Natura, em 1980. (Divulgação)

0 Comments

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

WordPress spam blocked by CleanTalk.